Influenciadores-Tecnologia-Agência-Comunicação
A influência começa em casa

Colaboradores são os principais influenciadores de uma empresa

Por onde você começa sua busca quando você quer uma referência de produto ou serviço? Pode ser pelos mecanismos de busca, por sites especializados, dicas de amigos e também pelos influenciadores das redes sociais. Não necessariamente nesta ordem, mas todas estas fontes exercem grande poder de influência no processo de decisão dos consumidores e empresas.

Os influenciadores digitais, por exemplo, são indivíduos que possuem grande alcance nas redes sociais por serem autoridades em algum assunto, posicionarem-se sobre algum tema ou produto a ponto de influenciar tendências de comportamento e consumo por meio de vídeos, fotos ou textos. Eles já ganharam tanta projeção que são a segunda fonte para tomada de decisão, segundo pesquisa do Instituto QualiBest de 2018.

Só que existem influenciadores essenciais para sua marca que vão muito além daqueles jovens de fala rápida que fazem caras e bocas e recebem milhares de likes. Talvez eles não recebam muitos seguidores nas redes sociais, mas eles podem receber o seu “like” por ajudar a humanizar e divulgar a cultura e valores da marca. São os próprios profissionais que trabalham na sua empresa.

Esses são os primeiros influenciadores a serem trabalhados em qualquer corporação, antes mesmo de pensar nos influenciadores externos. Sabe aquele funcionário com quem todo mundo gosta de se aconselhar? Ou aquele que conhece diversos departamentos e sabe direcionar as demandas? Ou ainda aquele que conhece tão bem a história da empresa que posta nas redes sociais próprias o orgulho de trabalhar na empresa? São esses influenciadores internos que devem ser os embaixadores da sua marca, pois naturalmente eles são canais de comunicação. E eles devem disseminadores de notícias.

Cuidado com a “rádio-peão”

Claro que existe uma linha muito fina entre os influenciadores internos que distribuem informações e agregam valor para a empresa e aqueles que funcionam como fonte de notícias da “rádio-peão”. Mas cabe aos profissionais de comunicação identificá-los e criar ações de engajamento que reforcem a sua atuação, principalmente nas redes sociais. Ou seja, eles são micro-influenciadores da marca por estarem dentro das organizações.

O alcance e ressonância desse tipo de influenciador não se dá pelo volume de seguidores, mas sim pela relevância de autoridade que ele exerce.  Neste caso, o estímulo à atuação desses líderes nas redes sociais da empresa, com uma palestra sobre a área de atuação ou relatos sobre a participação da empresa num evento (tudo acompanhado de políticas claras de comunicação) são fundamentais para que o funcionário seja engajado e influencie positivamente, tanto na retenção de talentos, bem como no consumo de produtos ou serviços.

Portanto, os profissionais em sinergia com as empresas onde trabalham são os primeiros influenciadores digitais que devem ser estimulados a continuar a campanha positiva – afinal, o que gera mais credibilidade e confiança que um profissional que se empenha pela sua marca? Aposte nele.