fbpx
loader
Comunicação e tecnologia estão mais próximas do que você pensa

A Internet das Coisas (IoT) já faz parte de nossas vidas há algum tempo, mas ela não deixa de aparecer sempre nas listas de tendências tecnológicas. São dispositivos que estão espalhados por todos os cantos para coletar dados, imagens e outras informações que podem transformar nossas rotinas, desde uma simples câmera IP até um monitor cardíaco em um hospital. Estes dados coletados acabam virando um Big Data que terá seu valor ao passar para o Analytics.

Mas o que comunicação tem a ver com isso? Tudo.

O assessor de imprensa coleta informações, as processa e analisa o que é interessante para mídia e para sua audiência. Então, com esse título análogo à clássica obra “Eram os Deuses Astronautas?”, trago um ponto contemporâneo para mostrar que obviamente somos humanos, mas o sucesso do nosso trabalho é baseado nos pilares do conceito genial das novas tecnologias.

Assessoria de imprensa IoT

O “assessor IoT” está sempre ligado nas ações do seu cliente. Diferente de um jornalista de redação, que sabe sobre muitos assuntos e se aprofunda de acordo com as demandas das pautas, o assessor domina um assunto: o seu cliente e todo o ambiente que ele atua, incluindo concorrentes, legislação e mercado. O bom assessor precisa ter todas as respostas na ponta da língua, e isso só é possível a partir de uma relação próxima e parceira com o cliente. Além disso, ele também precisa estabelecer essa relação parceira com os colegas repórteres, para mandar aquela sugestão de pauta certeira que vai trazer um resultado bacana para o cliente e, ao mesmo tempo, se adequar exatamente ao que o veículo de publicação precisa naquele momento.

Assessoria de imprensa Big Data

Quando ele ativa o modo “assessor Big Data”, ele coleta todas as informações que o cliente passa e  que o jornalista precisa. A partir das suas habilidades “IoT”s, ele arquiva o máximo de informações  e toma nota de tudo para não perder nada, seja no tradicional caderninho ou no smartphone. E mais, ele passa a ser fonte confiável de consulta dos clientes, uma pessoa que conhece o que os jornalistas e o que o mercado querem para ajudá-lo a se posicionar na mídia da melhor forma.

Assessoria de imprensa Analytics

Por fim, ele usa suas habilidades “Analytics” para processar todas essas informações e expandir as comunicações dos clientes para que as mensagens compartilhadas evoluam em sintonia com as transformações do mercado. Essa etapa se assemelha a um relatório, que será minunciosamente analisado pelo assessor e permite que ele encontre novas oportunidades para posicionar os clientes na mídia e desenvolva mensagens específicas para determinado setor ou até mesmo região.

E, como já sabemos que legado nem sempre é sinônimo de ultrapassado, principalmente quando é integrado ao moderno, o assessor realiza a boa e velha análise SWOT (sigla em inglês para Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças). Afinal, mesmo para multinacionais com décadas de existência, sempre surgem novas frentes – imagine então quando o cliente é uma startup!

Esse artigo vai além do trabalho da equipe da Capital Informação. É nosso core business e, também, a maneira como pensamos. Comparo a comunicação às tecnologias porque acreditamos que ambas são direito de todos. A nossa missão é traduzir essa sopa de letrinhas cheias de termos técnicos e estruturar cuidadosamente nossos conteúdos para que leigos e especialistas entendam tudo o que está acontecendo, e para que sejam capazes de extrair valor dessas movimentações rápidas e intensas no universo da TI.


Ricardo Varoli

Ricardo Varoli

Ricardo Varoli é gerente de Contas Internacionais